Boa moldura humana para a tradicional corrida de toiros do Colete Encarnado, em que se presta homenagem aos Campinos, esses homens fundamentais na criação e no maneio do toiro de lide.

António Ribeiro Telles (ART) criou duas lides distintas adaptadas às características de cada toiro. O primeiro São Torcato que lidou era encastado e bruto. O cavaleiro escolheu bem os terrenos e as distâncias para a boa cravagem dos ferros montando o “Embuçado”. No segundo toiro do seu lote o mestre da Torrinha alcançou os melhores momentos da tarde, montando o “Alcochete”. Foram ferros com muita verdade e impacto. Sortes com princípio, meio e fim, diante de um toiro com muita querença em tabuas. António Ribeiro Telles brindou todos os presentes na Palha Blanco com uma lide magistral e cheia de arte!

Os Forcados de Vila Franca não tiveram tarde fácil, mas com coesão superaram as dificuldades impostas pelos São Torcato. Foram caras David Moreira, Pedro Silva também à terceira e Guilherme Dotti todos à terceira tentativa e Rui Godinho ao primeiro intento. Carlos Silva rabejador do grupo deu volta á arena no quarto da função.

Apesar das poucas oportunidades que tem para tourear António João Ferreira mostrou estar à altura do desafio, diante de dois “São Torcatos” duros e violentos. Os toiros humilhavam pouco e tinham investida curta. Ao fim do terceiro passe viravam-se e não rompiam. As faenas valeram pelo valor impávido e sereno do matador escalabitano.

Nos de seda e prata destaque para a quadrilha do matador. Bons pares de bandarilhas a cargo de João Ferreira, Tiago Santos e João Oliveira.

foto: Pedro Batalha