A Prótoiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia e a União das Misericórdias Portuguesas assinaram ontem, em Estremoz, um protocolo de cooperação, que tem como principal objetivo a dinamização e promoção de ações na área da tauromaquia enquanto património cultural de Portugal.

Esta é uma etapa que há muito se justificava, até porque as misericórdias são proprietárias da maioria das praças de toiros em Portugal. Assim, a UMP passa a integrar a direção da Prótoiro, consolidando desta forma a centenária ligação das misericórdias à tauromaquia.

A assinatura deste protocolo vem reforçar a já de si forte relação da tauromaquia às grandes causas sociais, sendo para isso a UMP um parceiro fundamental.

Para Paulo Pessoa de Carvalho, presidente da Prótoiro, “este é um passo muito importante para a atuação da Prótoiro” e explica: “Permite ter à mesma mesa o representante da maioria dos proprietários de praças de toiros em Portugal, junto com todos os restantes stakeholders da tauromaquia portuguesa, podendo dessa forma pensar de modo mais abrangente e profundo o setor da cultura tauromáquica portuguesa, a estratégia de desenvolvimento do mesmo e o seu impacto social”.

Já Manuel Lemos, presidente da UMP, considera que “o protocolo é uma mais-valia, pois permite que todos estejam mais próximos na promoção dos valores e desenvolvimento da tauromaquia enquanto atividade cultural”. “Antes da criação do Estado Social, as receitas das Praças de Toiros eram a principal fonte de rendimento para as misericórdias poderem fazer o seu trabalho”, conclui.

A cerimónia de assinatura do protocolo decorreu na arena da Praça de Toiros de Estremoz, momentos antes do início da corrida promovida pela UMP.