No passado dia 6 de novembro, morreu Rogério Amaro, antigo empresário tauromáquico e cabo dos Forcados Amadores do Montijo.

Rogério Amaro é uma personagem do mundo taurino que não é do tempo do Faenas TV, por isso deixo as palavras escritas por Miguel Alvarenga no Farpas Blog.

“O Rogério personificava isso tudo e era a grande referência do “antigamente”. Foi um gentleman, foi um bon vivant, foi um Senhor, o último Grande Senhor dos empresários tauromáquicos nacionais. Essa forma elegante, educada, refinada, de estar na vida, valeu-lhe, entre os amigos mais íntimos, a célebre alcunha de “Pipi” – que lhe assentava que nem uma luva.

Além de destacado forcado e cabo de forcados, de empresário tauromáquico que marcou uma época – chegou a gerir com “Nené” quase todas as praças nacionais, menos a do Campo Pequeno, onde nunca escondia desejar um dia chegar – Rogério Amaro foi também apoderado das maiores figuras do toureio português, entre as quais José Mestre BatistaJoaquim BastinhasJoão Palha Ribeiro TellesPaulo CaetanoJoão SalgueiroVitor Mendes e Rui Bento Vasquez, bem como João Telles (filho) nos seus começos como amador e Marcos Bastinhas enquanto cavaleiro amador e praticante, entre outros.

E há dois anos, mesmo contrariado, Rogério Amaro não soube dizer não ao velho amigo de tantos anos quando este o desafiou para o voltar a apoderar. Estiveram de novo lado-a-lado apenas em duas corridas: em 21 de Julho quando Bastinhas reapareceu na Figueira da Foz e em 23 de Setembro desse mesmo ano de 2018, quando o mais popular dos toureiros nacionais actuou pela última vez no Coliseu de ElvasJoaquim Bastinhas morreu no último dia desse mesmo ano. Rogério voltou a afastar-se. Do mundo dos toiros. Nunca dos amigos.

in Farpas Blogue