A primeira corrida de toiros mista, realizada esta temporada no Campo Pequeno, teve pouco publico, mas isso não significou que na arena faltassem bons momentos de toureio, muito pelo contrário.

António Ribeiro Telles, nome maior da Tauromaquia em Portugal deu uma lição de bom toureio a cavalo e à portuguesa, diante do 4º toiro da noite, na corrida de toiros que se realizou na passada quinta-feira no Campo Pequeno.

O toiro era de investida incerta, mas o mestre da Torrinha entendeu na perfeição os terrenos e as distâncias do “Vinhas”. Montando o cavalo “Alcochete” manteve constante ligação com o toiro e obrigou-o a investir. Foram ferros de antologia cheios de verdade e de arte.

Diante do primeiro toiro do seu lote, mestre Ribeiro adequada, mas sem romper.

Os forcados do Aposento do Barrete Verde de Alcochete (que esta temporada comemoram o 55º aniversário) pegaram o 1º toiro à segunda tentativa, por intermedio de Bruno Amaro que dobrou o seu irmão Diogo que saiu lesionado apos violenta colhida, na primeira tentativa. João Armando pegou o 2º toiro do grupo com uma pega vistosa, aguentando vários derrotes mas os ajudas tardaram em chegar.

O grupo de Alter do Chão, teve uma noite difícil Filipe Ribeiro só pegou à tentativa. João Galhofas saiu lesionado do seu primeiro intento, sendo dobrado por Filipe Lucas, que por duas vezes também não efectivou, acabando por concretizar a pega, o forcado João Moreno.

António João Ferreira regressava ao Campo Pequeno, após grave colhida que sofreu naquela arena na temporada transata. O matador de toiros escalabitano teve atitude e quietude, mas não teve matéria prima para brilhar. Os dois toiros que lidou eram de investida curta, não permitindo que as series de muleta fossem além de 2 passes seguidos. Esta característica dos “Vinhas” lidados a pé, obrigava o matador de toiros a dar um passe, cruzar-se ao piton contrário e a dar outro passe, não houve a ligação desejada, mas foram duas lides muito corretas e ajustadas às características dos oponentes.

Nota para dois excelentes pares de bandarilhas, cravados por João Ferreira (irmão do matador) ao sexto toiro.

Os toiros da ganadaria Vinhas, a comemorar 75 anos de existência, saíram variados de pelagem, mansos mas com mobilidade.

Nota de redação: Nesta corrida atuou também o cavaleiro Francisco Palha, devido ao mesmo estar de relações cortadas com este órgão de comunicação social tauromáquica, não o mencionamos nesta crónica.

foto: Ovação e Palmas