Numa temporada atípica, marcada claramente pela pandemia covid-19 e pelas implicações inerentes, o Campo Pequeno encerrou o seu abono com uma corrida de toiros à portuguesa com seis cavaleiros e dois grupos de forcados.

Devido às restrições atuais, impostas pela Direção Geral de Saúde não se realizaram as tradicionais cortesias de gala à antiga portuguesa, que normalmente encerram a temporada tauromáquica em Lisboa.

Os toiros da ganadaria Passanha, estavam bem-apresentados e tinham mobilidade, embora fossem de escassa transmissão. No entanto, salvo o sexto toiro que tinha tendência para tábuas, todos proporcionaram bons momentos de toureio dentro do que é esperado na linha Murube.

Abriu praça o mestre António Ribeiro Telles. Realizou uma lide clássica e elegante. Houve verdade, bons pormenores de brega e todos os ferros foram rematados de forma exímia.

Marcos Bastinhas confirmou o excelente momento que se viu recentemente em Elvas. Recebeu o toiro à porta dos curros e dobrou-se bem com ele nos médios. Cravou bons ferros de praça a praça com emoção e verdade.

Duarte Pinto toureava pela terceira vez esta temporada em Lisboa e não defraudou. Foi uma lide com princípio, meio e fim citando de poder a poder, a entrar pelo toiro dentro, a vencer o piton contrário e a cravar ferros com muita emoção.

O rejoneador espanhol Andrés Romero esteve correto e realizou uma lide muito agradável. Entendeu o publico do Campo Pequeno e preocupou-se com o essencial em vez de adornos. Foi uma lide muito interessante.

A Luís Rouxinol Jr. Saiu “a fava da noite”, um toiro de escassa apresentação face aos outros cinco e que rapidamente buscou refúgio em tábuas. O jovem de Pegões esteve muito bem ao tourear em sortes a sesgo. A lide valeu pela atitude e raça do cavaleiro.

No que diz respeito às pegas pelo grupo de Lisboa foram caras: Daniel Batalha à primeira, Tiago Silva à terceira e João Varanda à primeira.

Pelo grupo do Ramo Grande (Açores) foram caras: Carlos Silva à primeira, Tomás Sousa à terceira e o cabo Manuel Pires à primeira.

Dirigiu a corrida Marco Cardoso, assessorado pelo médico veterinário Jorge Moreira da Silva e pelo cornetim José Henriques.

Uma corrida com ritmo e agradável em termos artísticos que encerrou a temporada 2020 na capital, a mais atípica de que há memória no Campo Pequeno.

foto: Pedro Batalha @ Naturales Tauromaquia