A Fundação Champalimaud, vai ter um centro de investigação dedicado ao tratamento e investigação do cancro do pâncreas. O novo centro vai ser construído nos terrenos junto às atuais instalações da fundação e vai  manter as linhas arquitetónicas do edifício original, porque a construção de um edifício contíguo estava prevista desde o início da criação daquele espaço. Charles Correa, o arquiteto indiano (falecido em 2015) que projetou o edifício principal e deixou esquiços preparados que servirão de base ao novo edifício, que vai albergar cerca de 200 pessoas.

A inauguração está prevista para 5 de outubro de 2020, precisamente 10 anos depois da inauguração do Centro Champalimaud.

Mauricio Botton Carasso (neto do fundador da marca de iogurtes Danone), de 85 anos, e a mulher, Charlotte Botton,  são os financiadores deste cetro de investigação. que vai ser designado de Botton-Champalimaud Pancreatic Center, um centro de investigação dedicado ao tratamento e investigação do cancro do pâncreas. O casal Botton doou 50 milhões de euros à Fundação Champalimaud para financiar o centro que ficará junto às atuais instalações do Centro Champalimaud para o Desconhecido, em Lisboa.

O casal tem uma fortuna avaliada em 550 milhões de euros, e vai doar 50 milhões de euros, para contribuir para o desenvolvimento da investigação do cancro do pâncreas, um dos cancros mais mortíferos em todo o mundo.

Uma doença muito difícil de diagnosticar de forma precoce por, normalmente, não apresentar sintomas nas fases iniciais. Os diagnósticos tardios fazem com que a esperança de sobrevivência dos doentes seja reduzida. Estima-se que cerca de 330 mil doentes morram todos os anos com esta doença.

fonte e imagens: Observador