No sábado à noite ocorreram pelo menos três incidentes em diferentes pontos de Londres: um atropelamento na London Bridge, apunhalamentos em Borough Market e um incidente em Vauxhall.

Os acontecimentos de London Bridge e Borough Market foram considerados atos de terrorismo, enquanto o de Vauxhall foi declarado não relacionado com as outras duas ocorrências.

O autoproclamado Estado Islâmico reivindicou este domingo o ataque em Londres, avança a Reuters. O atentado matou sete pessoas e feriu 48. A informação foi publicada na agência associada ao grupo extremista, Amaq.

Pelo menos 21 feridos do atentado terrorista encontram-se em “estado crítico”, informaram hoje fontes oficiais britânicas. A polícia informou ainda este domingo que a carrinha utilizada no crime foi alugada por um dos atacantes e que as autoridades recorreram a 50 tiros para travar os três homens.

Os detalhes da operação de ontem foram revelados, esta tarde, pelo responsável pela Unidade de Contra-Terrorismo do Reino Unido. Mark Rowley considerou que a situação era “crítica e de vida ou morte”, explicando que os agentes de segurança suspeitaram que os três homens poderiam ser “potenciais suicidas”, uma vez que aparentavam ter coletes armadilhados, que mais tarde, se revelaram “falsos”.

“Os oito agentes descarregaram as armas: cerca de 50 balas. Os três atacantes foram abatidos”, disse Mark Rowley. As autoridades dizem que já foram feitos “progressos”, mas que “muito ainda permanece por fazer”. Os três atacantes foram identificados e a polícia tenta agora saber se eles “tiveram ajuda”.

fontes: agência Reuters, TSF e Diário de Notícias

foto: DR