Com toda a sinceridade, o que me levou a Vila Franca, para assistir à corrida do Colete Encarnado, foi essencialmente o interesse em ver dois matadores de toiros, que têm lutado muito nos últimos anos para conseguir por em prática a sua profissão. O facto de virem à Palha Blanco enfrentarem toiros da ganadaria Palha, sem a presença da sorte de varas, era um atractivo extra.

Os toiros da ganadaria Palha, estavam bem apresentados, com trapio e transmitiram muita emoção. Melhor os toiros para as lides equestres, do que para as lides apeadas (neste caso, os toiros podiam ter menos emoção e mais recorrido, as faenas teriam alcançado outra dimensão, a nível artístico).

Pepe Moral é um excelente toureiro, que tem toureado pouco, mas quando o faz, a técnica e arte estão sempre presentes. O ano passado indultou um toiro de Victorino Martin em Illescas, este ano triunfou em Sevilha e Madrid. Em Vila Franca, realizou duas faenas inteligentes perante a escassez de bravura do seu lote (atenção, tinham pouca bravura, mas muito trapio!). O toiro tinha pouco recorrido e ficava curto, Moral andou sempre com a muleta a meia altura e deixou o toiro respirar, não o afogou com muitos muletazos. Procurou sempre templar ao máximo cada investida, mas o toiro ficava-se pelo meio muletazo.

Diante do sexto da tarde, o matador de Sevilha, voltou a mostrar o seu sangue frio e criar uma faena que parecia ser impossível. Se fosse outro tipo de toureiro, abreviava a faena rapidamente, mas Pepe Moral, mostrou respeito por todos os aficionados. O toiro tinha escassa investida e derrotava alto no final de cada série, procurando sempre “enganchar” a muleta. Pepe Moral esteve valente e decidido, tirando água de um poço que estava praticamente seco Os aficionados vilafranquenses não reconheceram o esforço feito por este toureiro, diante de um lote muito complicado.

Nuno Casquinha tem um mérito incrível. De há uns anos para cá, como não tinha oportunidades para tourear em Portugal e Espanha, fez as malas e rumou até ao Peru. Toureia em todo o tipo de praças daquele pais sul-americano, onde muitas vezes não existe o sorteio dos toiros, ou uma enfermaria em condições. Mas não é pelas as condições adversas que enfrenta no Peru, que Casquinha perdeu o sonho de ser toureiro, muito pelo contrário é líder do escalafón daquele país e isso nota-se em praça. Casquinha está toureado e transmite confiança nos três tercios.

Os melhores momentos da tarde, no que diz respeito ao toureio a pé, foram da sua autoria!

No primeiro que enfrentou, o destaque maior vai para uma série com a mão esquerda de grande nível. O toiro ficava curto, tinha pouco recorrido, mas Nuno Casquinha entendeu este Palha na perfeição, deixando sempre a muleta na cara do toiro, no fim de cada muletazo.

Diante do sétimo toiro da tarde, o toureiro de Vila Franca voltou a mostrar a sua raça e valor. Começou  com uma larga cambiada de joelhos junto às tábuas e uma boa série de verónicas, rematadas com meia verónica e um desmaio do capote. Foi bonito e muito artístico. Pepe Moral respondeu à letra, e realizou um excelente quite por verónicas, rematadas com meia.

Depois de um bom tercio de bandarilhas, no qual convidou Pedro Gonçalves. Casquinha agarrou na flanela rubra e desenhou uma bonita faena, na qual embargou toiro, deixando-o meter a cara na muleta e levando-o muito toureado. Com a mão esquerda, esteve muito bem a tourear ao natural, baixando a mão, mandando no toiro e despejando-o no fim de cada muletazo.

Foram duas grandes atuações de Nuno Casquinha, em Vila Franca de Xira.

Seria muito interessante ver Nuno Casquinha tourear num cartel, composto por António João Ferreira e Manuel Dias Gomes, diante de toiros de outro encaste, como por exemplo um curro da ganadaria Manuel Veiga ou Falé Filipe.

Podia ser uma corrida muito interessante, para o Campo Pequeno, Vila Franca de Xira ou Moita. Senhores empresários estão à espera de quê? Haja aficion e sensibilidade taurina. Não é preciso gastar “rios de dinheiro” em figuras que “não querem arriscar um pêlo em Portugal”, para montar corridas com interesse, têm é de ser realizadas em datas fortes e bem divulgadas junto dos aficionados.

No que diz ao toureio equestre, Luís Rouxinol realizou uma faena redonda e muito completa. Esteve muito bem na ferragem curta, montando o cavalo “Douro”.

Nas pegas pelos Amadores de Vila Franca, pegou Francisco Faria à terceira (a dobrar Rui Godinho), Bruno Tavares esteve enorme à primeira (boa 1.ª ajuda) e David Moreira à segunda. Foram grandes pegas cheias de emoção e galhardia.

Foi sem dúvida alguma, uma grande tarde de toiros, onde a emoção transmitida pelos toiros Palha e a disposição de todos os intervenientes foram a chave do sucesso.
foto: Pedro Batalha