A primeira corrida do abono 2019 no Campo Pequeno teve como principal atractivo o excelente curro de toiros da ganadaria Dr. António Silva, seis toiros dignos de Madrid. Os exemplares da ganadaria ribatejana estavam muito bem apresentados e rematados, eram toiros sérios a pedir “homens de barba rija” para os tourear e pegar. A maioria dos toiros transmitia, perseguia os cavalos e na hora da pega pareciam verdadeiros comboios em direção aos forcados. Destaque para os toiros lidados em 2º, 5º e 6º lugar.

Os três cavaleiros em praça apresentavam estilos distintos, mas cada um deu o melhor de si. António Telles não teve sorte com o seu lote e também não teve a noite mais inspirada. No primeiro da noite pouco há para dizer… No quarto a conversa foi outra, houve bons ferros e grandes pormenores de brega, que fazem as delicias dos verdadeiros aficionados ao toureio clássico.

Rui Fernandes esteve muito bem nos dois toiros que lidou. Recebeu o primeiro nos “médios” de forma exemplar, sem ajuda da sua quadrilha. Realizou uma boa lide, mas o melhor estava para vir no quinto da noite, diante do qual o cavaleiro da margem sul do Tejo, esteve muito inspirado e cravou ferros cheios de emoção e alegria em sortes ao piton contrário.

Duarte Pinto esteve muito bem nesta noite. No 3º toiro da corrida cravou quatro ferros curtos com muita qualidade e verdade. Foi direto ao toiro e cravou ao estribo. Devia ter sido premiado com musica, mas a diretora de corrida não o entendeu assim… No ultimo da noite, naquele que foi o melhor dos seis toiros, o cavaleiro de Paço de Arcos cravou dois bons ferros compridos e nos curtos também esteve em bom plano.

Quem também esteve em destaque foram os dois grupos de forcados presentes em praça. Ambas as formações mostraram ter bons forcados de cara e ajudas muito coesas diante destes toiros imponentes que punham qualquer forcado no sitio.

Por Montemor foram caras Francisco Barreto à primeira tentativa, João da Câmara também à primeira e Francisco Borges à segunda com uma excelente ajuda de António Monteiro. Pela formação de Vila Franca de Xira concretizaram David Moreira à primeira, Rui Godinho à primeira e Francisco Faria à terceira.

Lara Oliveira fez a sua estreia na direção de uma corrida sendo a primeira mulher em Portugal a exercer tal função. No geral esteve bem na direção do espectáculo, mas pecou por não dar música durante a lide do 3º toiro da noite a cargo de Duarte Pinto. Incompreensível.

foto: Campo Pequeno