O respeito pela liberdade e pela tradição foi o principal argumento de PS, PSD, CDS e PCP para votar contra a proposta do PAN (Pessoas Animais Natureza) para abolir as touradas. O BE votou a favor (à excepção do deputado Carlos Matias) mas não deixou de criticar o projecto do PAN por não prever as consequências de uma eventual aplicação da proibição.

Telmo Correia, vice-presidente da bancada do CDS, mencionou que existe diversidade no seu próprio grupo parlamentar. “Há uns que aficionados” e outros que “não são aficionados” ou “alguns como eu que não vão a corridas há muitos anos. Mas estamos contra as proibições”, disse, criticando o projecto por “condenar esta gente toda que vive desta actividade”. Lembrando que “também há violência na caça”, o deputado gracejou, dirigindo-se ao deputado do PAN: “Teríamos todos de adoptar a sua dieta e o veganismo?”. E num recado para o Bloco de Esquerda, que já dirigiu uma câmara de um município com tradição tauromáquica, o centrista atirou: “Não somos uma coisa aqui e outra em Salvaterra de Magos”.

Ao lado do PAN, do BE e dos dois deputados do PEV estiveram oito deputados do Partido Socialista e o social-democrata Cristóvão Norte.

No entanto, prevaleceu o bom senso e a democraia. A rejeição da proposta do PAN foi garantida por maioria do parlamento, que argumentou contra a imposição de uma vontade a parte significativa dos portugueses. Imperou o respeito e mais uma vez ficou provado que os movimentos radicais e extremistas, que visam espalhar o ódio cultural, não são aceites pela maioria dos portugueses.

Video da intervenção de Telmo Correia, deputado do CDS

O CDS é contra a proibição das touradas

O CDS é contra a abolição das corridas de touros.Da bancada do CDS-PP, Telmo Correia considerou que o PAN não tem o direito de querer impor a sua opinião a "populações inteiras" que têm na tourada "uma forma de vida do meio rural".A uma proposta com apenas três artigos, Telmo Correia respondeu "numa palavra, não".Dirigindo-se a André Silva, questionou a sua legitimidade para impor "hábitos lisboetas", numa referência à origem da maioria dos votos que elegeram o deputado do PAN para a Assembleia da República.Entre os deputados do CDS-PP há quem goste e quem não goste de touradas, mas ninguém quer proibi-las, acrescentou.

Publicado por CDS PP em Sexta-feira, 6 de Julho de 2018

fonte: Jornal Público

foto: DR