O famoso ganadeiro espanhol Victorino Martín morreu esta semana na sua herdade de Monteviejo, vitima de um acidente vascular cerebral. Figura incontornável da criação do toiro de lide, tinha 88 anos, e há algum tempo que tinha passado o testemunho ao seu filho.

A história de vida desta figura da Tauromaquia, dava um bom romance. Ficou órfão com apenas 8 anos, uma vez que o seu pai foi fuzilado durante a Guerra Civil espanhola no conflito de Paracuellos de Jarama (onde foram mortos milhares de cidadãos com ligações à II Republica Espanhola). Aos 16 anos, teve de abdicar dos estudos para se dedicar ao comercio de carnes e foi através deste negócio que a surgiu a paixão pelo gado.

Em 1967, em  Castro Urdiales (Cantábria), lidou a sua primeira corrida de toiros com o ferro Victorino Martin. Isto depois de já ter alguma experiência na criação de toiros de lide, só que com outros nomes.

Chegamos 1969 e Victorino Martín alcança o seu primeiro grande triunfo em Las ventas (Madrid), depois de ver Andrés Vásquez a cortar duas orelhas a um toiro de nome “Baratero”. Este foi o primeiro de muitos exitos que teve na praça de toiros mais importante do Mundo. Ao todo foram 17 astados que foram premiados com volta ao ruedo de Madrid. A “cereja no topo do bolo” deu-se em 1982, quando o matador Ortega Cano o indultou o toiro “Velador”. Um feito único em Madrid.

Outro indulto que iria entrar para a historia desta ganadaria, foi a do toiro “Cobradiezmos”, toureado em 2016, na Real Maestranza de Sevilha, por Manuel Escribano.

Ao longo dos anos Victorino Martin, somou vários triunfos e vários troféus sendo de destacar o Prémio Nacional de Cultura, que recebeu em Setembro deste ano das mãos, do Rei de Espanha Rei Filipe VI, naquela que foi a última aparição pública deste génio da criação do toiro de lide.

foto: Samuel Sanchez @ El Pais