A temporada do 125º aniversário do Campo Pequeno começou da melhor maneira com lotação esgotada e com um grande triunfo de Juan José Padilla. O matador de toiros espanhol esteve extraordinário nos dois toiros que lidou, em especial no primeiro do seu lote, um toiro de bandeira da ganadaria alentejana de Varela Crujo. O “ciclone de Jerez de la Frontera” dá tudo o que tem e o que não tem. Entrega é a palavra que descreve melhor Padilla, seja em Madrid, Sevilha ou no Campo Pequeno. Foram duas faenas que ficam para a história pela diversidade, pelo dominio dos toiros e acima de tudo pela entrega de Padilla. O público entendeu e retribuiu com as maiores ovações da noite.

Roca Rey que há muitos anos tinha feito a sua apresentação como toureiro na Europa em Lisboa, voltou ao Campo Pequeno, mas desta vez não teve sorte com os toiros que lidou. Ambos tanto o primeiro como o segundo, eram escassos de força, não transmitiram e não investiam na muleta do toureiro peruano. A verdade é que Roca Rey podia ter esforçado um bocadinho mais, ainda por cima depois de ver o que Padilla tinha feito anteriormente (é certo que o espanhol teve outra matéria-prima), mas a espaços deu para ver o valor e a técnica deste jovem que já é por mérito próprio um dos nomes mais sonantes da tauromaquia mundial.

No capitulo equestre, João Moura teve uma noite para esquecer e só por momentos conseguiu mostrar o seu valor e a sua técnica.

Os forcados de Vila Franca de Xira, que este ano comemoram o seu 85º aniversário realizaram duas boas pegas à segunda tentativa, por intermédio do cabo Ricado Castelo e de Rui Godinho.

Nota ainda para a presença nesta corrida de grandes figuras do toureio nas bancadas como por exemplo Vitor Mendes (a quem Padilla brindou o seu segundo toiro), Paulo Caetano, Diego Ventura e muitos outros. Na trincheira esteve o jornalista taurino espanhol Manolo Molés, uma verdadeira “lenda viva” do jornalismo taurino.

Fique de seguida com a reportagem em vídeo do Faenas TV.

foto: campo pequeno