O Primeiro-ministro responde a Manuel Alegre e confessou que fica chocado com a transmissão pela RTP de touradas mas diz que não lhe “ocorre proibir a sua transmissão”. António Costa apoia a Ministra da Cultura que afirmou recentemente no Parlamento (a quando a manutenção do IVA das touradas em 13% ao contrário de outros espectáculos, que descem para 6%, e que consta da proposta de Orçamento do Estado para 2019) que a Tauromaquia “Não é uma questão de gosto. É uma questão de civilização e manteremos como está”. O que provocou uma revolta por parte dos aficionados, que logo lançaram uma petição a pedir a demissão de Graça Moura.

Costa assume também que a decisão da realização ou não de corridas de toiros, devia ser da responsabilidade das câmaras municipais: “conceder a cada município a liberdade de permitir ou não a realização de touradas no seu território”.

No entanto, o Primeiro-ministro tem memória curta e rapidamente esqueceu-se que era frequentador de corridas de toiros e até reconhecia publicamente os Homens que honram a Festa Brava, como as seguintes imagens comprovam.

Francisco Louçã, ex-coordenador do BE, partido que propõe IVA de 23% (taxa máxima) para as touradas, também afirmou publicamente ser contra a Tauromaquia “As touradas irão acabar” mas “não é por causa do IVA”, defendeu na sexta-feira na SIC Notícias.

Aos poucos o fundamentalismo do politicamente correcto, e a tentação de interferir nos gostos e comportamentos das pessoas, está a ser algo recorrente. Além disso, para muitos governantes e políticos portugueses a Tauromaquia é um meio para atingir no protagonismo que tanto precisam, mas não possuem.

fonte: Jornal Público

fotos: Naturales-Tauromaquia e DR.