Marco José, nasceu há 43 anos nas Caldas da Rainha, apresentou-se ao público como cavaleiro amador em 1985, na Batalha e recebeu a alternativa de cavaleiro tauromáquico, a 6 de julho de 1995, na arena do Campo Pequeno, das mãos de Paulo Caetano. Agora tem um novo desafio na sua vida, o levar a arte equestre e a tauromaquia à China. O Faenas TV foi falar com Marco José, para conhecer melhor este projeto.

Faenas TV (FTV) – Como surgiu a oportunidade de ir para a China divulgar a arte equestre e a tauromaquia? Tudo surgiu por intermédio de um amigo, aficionado e empresário chinês que me viu tourear.

Marco José (MJ) – A minha primeira ida há china foi de reconhecimento e estudo para apresentar e falar da tauromaquia.

FTV – Em que parte da China, fica a cidade de Guizhou?

MJ – Situado no sudoeste da China.

FTV – Segundo o que me contou o seu apoderado, Guizhou é uma cidade vocacionada para os casamentos dos cidadãos chineses. Podemos afirmar que Guizhou é a cidade das noivas?

MJ – Guizhou é uma cidade nova e com recursos naturais lindíssimos.

FTV – Inicialmente vão ser só demonstrações de toureio, para quando é que está prevista a primeira corrida de toiros?

MJ – Primeiro demonstrações de toureio com bandarilheiro e forcados. Assim que ache correto anunciarei e corrida de touros.

FTV – Nestas demonstrações, vai haver a presença de forcados?

MJ – Sim.

FTV – No que diz respeito a toiros, está prevista a aquisição de algum efetivo de uma ganadaria portuguesa ou espanhola, ou vão ser sempre lidados bovinos de raça chinesa?

MJ – Está previsto um efectivo ou até mesmo a aquisição de uma ganadaria.

FTV – O “toiro” chinês tem investida e pode-se tourear ou nem por isso?

MJ – Tem investida e é “toureável”.

FTV – A quadra de cavalos, composta por quantos animais?

MJ – Neste momento composta por 8 cavalos.

FTV – As demonstrações de toureio e as corridas de toiros que se vão realizar em Guizhou, serão sempre com o uso obrigatório de velcro certo?

MJ – Agora de início sim.

FTV – Está a ser construída uma praça de toiros coberta, com a capacidade para 3500 espetadores, quando é que esta infraestrutura estará concluída?

MJ – Tudo aponta para que esteja no fim do mês maio.

FTV – Este espaço, será polivalente ou vai ser unicamente utilizado para espetáculos equestres e corridas de toiros?

MJ – Será um espaço polivalente.

FTV– A médio longo prazo acho que o futuro da Tauromaquia passa pela exportação das corridas de toiros para outras partes do Mundo?

MJ – Penso que sim mas Não é fácil.

FTV – Na exportação da Tauromaquia, considera fundamental o uso do velcro (não existir sangue no toiro e no cavalo), de forma a explicar melhor a arte a outros povos?

MJ – Não, mas penso que será importante para que a tauromaquia não seja tão contestada.

FTV – Se tudo correr bem na China, vê-se um dia a viver lá com a sua família?

MJ – Nunca se sabe.

FTV – Além da China, prevê tourear esta temporada em Portugal?

MJ – Claro, sou cavaleiro profissional.